00:00:00
06 Jun

Ex-prefeito Vladimir Azevedo e empresários são denunciados por fraude

A Denúncia é sobre licitação da estrada ligação da AMG 345 ao Complexo da Ferradura e de construção de um viaduto sobre a Ferrovia.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou três Ações Penais contra pessoas acusadas de fraudarem, em Divinópolis, licitação das obras de drenagem pluvial e pavimentação da estrada DVL 120 – ligação da AMG 345 ao Complexo da Ferradura – e de construção de um viaduto sobre a Ferrovia Centro-Atlântica.

Na primeira Ação Penal, foram denunciados um ex-superintendente de Obras e dois servidores da prefeitura. Na denúncia, é pedido que os três percam os cargos públicos, caso ocupem, e que sejam condenados a repararem os danos causados ao município.

De acordo com a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Divinópolis, eles se juntaram para direcionar o processo licitatório aberto em 2013. As exigências e a falta de informações do edital teriam sido planejadas para favorecer uma das empresas e excluir outras da competição, impedindo a escolha da melhor proposta para os cofres públicos. A obra foi contratada, na época, por mais de R$ 7 milhões, ficando, segundo a denúncia, 6% – ou atualmente R$ 450 mil – mais cara do que a praticada pelo mercado.

Na segunda Ação Penal, foram denunciados o ex-prefeito Vladimir Azevedo, três ex-membros da Comissão de Licitação, um ex-procurador municipal e uma ex-integrante do órgão de Controle Interno do Município de Divinópolis. Eles são acusados de participarem da fraude. Nessa denúncia, o MPMG quer que eles percam o cargo público, caso ocupem, e que sejam obrigados a ressarcirem o município.

Já na terceira denúncia, a Promotoria de Justiça de Divinópolis cobra punição para um ex-superintendente de Projetos e um ex-assessor especial da prefeitura e para um representante da empresa vencedora da licitação que assinaram termos aditivos de preço ao contrato de R$ 7 milhões firmado em 2013. Um sócio da construtora também foi denunciado nessa Ação Penal por fraude em licitação.

Os dois ex-servidores públicos e o representante da empresa são acusados de quebrar o equilíbrio econômico-financeiro do contrato, o que teria gerado vantagem indevida para a construtora e prejuízo aos cofres públicos. O MPMG cobra dos três e do sócio da empresa a reparação dos danos causados ao município de Divinópolis – tudo isso, sem prejuízo da aplicação, a todos, de penas por crimes previsto na Lei de Licitações e Contratos.

You may be interested

Anfavea projeta queda de 40% na produção automotiva em 2020
Brasil
Brasil

Anfavea projeta queda de 40% na produção automotiva em 2020

Fabio Alencar - 06/06/2020

Os fabricantes de veículos instalados no Brasil projetam uma queda de 40% em 2020.As vendas, inicialmente superiores a três milhões de unidades, despencaram para 1,6 milhão em…

Setor imobiliário quer reabertura de estandes para venda de unidades
Brasil
Brasil

Setor imobiliário quer reabertura de estandes para venda de unidades

Fabio Alencar - 06/06/2020

O setor imobiliário quer reabertura de estandes, para a retomada das vendas após retorno gradual de parte das atividades econômicas em diversos estados do Brasil. Após um…

Recife tem manifestações em memória de Miguel; protestos pedem justiça
Brasil
Brasil

Recife tem manifestações em memória de Miguel; protestos pedem justiça

Fabio Alencar - 06/06/2020

Manifestantes foram às ruas de Recife na sexta-feira (5) pedindo justiça pela morte do menino Miguel Otávio da Silva, de 5 anos. O garoto caiu do 9º…

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Most from this category