00:00:00
22 Oct

Crime da 113 Sul: Júri popular da arquiteta Adriana Villela começa nesta segunda

Arquiteta é ré por triplo homicídio; ela nega acusações. Em 2009, pai, mãe e empregada foram mortos a facadas em região nobre de Brasília.

Crime da 113 Sul: julgamento de Adriana Villela começou nesta segunda-feira (23) — Foto: Afonso Ferreira/G1
Crime da 113 Sul: julgamento de Adriana Villela começou nesta segunda-feira (23) — Foto: Afonso Ferreira

O júri popular da arquiteta Adriana Villela, acusada de ser mandante do assassinato do pai, da mãe e da empregada em 2009, começou às 11h04 desta segunda-feira (23), em Brasília.

A expectativa é de que quatro testemunhas de acusação sejam ouvidas até o fim de segunda (veja a ordem do julgamento no fim da reportagem).

Esta é a primeira vez que ela se senta no banco dos réus, 3.678 dias depois daquele que ficou conhecido como “crime da 113 Sul”, em referência ao endereço onde a família morava.

A sala do Tribunal do Júri foi reservada desta segunda (23) até sexta-feira (27), mas o veredito pode sair antes, segundo o Tribunal de Justiça do DF.

O que está em jogo

Adriana Villela, de 55 anos, é ré por triplo homicídio em um processo com mais de 20 mil páginas. No dia do crime, no sexto andar do bloco C da 113 Sul, quadra nobre de Brasília, foram assassinados:

  • o pai dela, José Guilherme Villela, 73 anos, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com 38 facadas;
  • a mãe dela, Maria Carvalho Mendes Villela, 69 anos, advogada, com 12 facadas;
  • a empregada doméstica da família, Francisca Nascimento da Silva, 58 anos, com 23 facadas.

Adriana sempre negou todas as acusações. A defesa dela argumenta que o “processo é uma distorção psicológica feita pelo Ministério Público”. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, alega que uma “linha do tempo” feita pela defesa comprova todos os passos da acusada no dia do crime.

Já o MP sempre disse ter convicção de que Adriana esteve na cena do crime e foi a mandante dos três assassinatos. Para a acusação, o laudo comprova a presença de impressões digitais dela em um dos cômodos do apartamento da família.

Maria Carvalho Mendes Villela e José Guilherme Villela, mortos em 2009 em apartamento na Asa Sul — Foto: Arquivo pessoal
Maria Carvalho Mendes Villela e José Guilherme Villela, mortos em 2009 em apartamento na Asa Sul — Foto: Arquivo pessoal

O julgamento

Adriana Villela chegou ao tribunal por volta das 9h, vestida de preto, acompanhada da filha, do irmão e de amigos. Minutos depois, postou em uma rede social a foto de uma vela com a imagem de São Expedito sobre uma das páginas do processo.

Na mesma rede social, ela disse que o julgamento é a “oportunidade de esclarecer” quem é ela e a família. A arquiteta também agradeceu o apoio dos amigos.

O julgamento segue a seguinte ordem:

  1. Leitura das peças do processo;
  2. Depoimento das testemunhas de acusação e, em seguida, da defesa;
  3. Interrogatório da ré;
  4. Debates entre a promotoria e a defesa;
  5. Votação pelos jurados;
  6. Leitura da sentença.

A acusação convocou 17 testemunhas para o julgamento. A defesa, 27. Na semana passada, a defesa de Adriana Villela recorreu ao Superior Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão do júri popular, mas o pedido foi recusado pelo ministro Gilmar Mendes.

Adriana Villela é acusada de matar pai, mãe e empregada em 2009 — Foto: TV Globo/Reprodução
Adriana Villela é acusada de matar pai, mãe e empregada em 2009 — Foto: TV Globo/Reprodução

Como funciona o júri

O Tribunal do Júri é composto pelo presidente e 25 jurados. Os nomes dos 17 que se apresentaram – pessoas comuns, sem formação em direito, necessariamente – foram colocados em uma urna. Os celulares deles foram recolhidos por volta das 10h30.

Tanto a defesa quanto a acusação puderam descartar, cada uma, três jurados. A defesa recusou três; a acusação, um.

Dos jurados que restaram, sete foram sorteados para compor o conselho de sentença, que vai declarar se a ré é culpada ou inocente: quatro mulheres e três homens. O resultado do julgamento será definido por maioria.

Após o sorteio, os jurados selecionados ficarão incomunicáveis até o fim do júri, não podendo falar com outras pessoas nem manifestar sua opinião sobre o processo, sob pena de exclusão do conselho.

No caso do júri de Adriana Villela, está previsto que a sessão se estenda por quase uma semana, mas os jurados não poderão voltar para casa. Eles vão dormir, comer e cuidar da higiene pessoal nas dependências do tribunal, sob acompanhamento constante.

Plenário do Tribunal do Júri — Foto: Ilustração: Arte/G1
Plenário do Tribunal do Júri — Foto: Ilustração: Arte

Crime da 113 Sul

Os corpos de José Guilherme Villela, Maria Carvalho Mendes Villela e Francisca Nascimento Silva foram achados, já em estado de decomposição, em 31 de agosto de 2009, na Asa Sul.

A perícia demonstrou que eles foram assassinados em 28 de agosto de 2009, por volta das 19h15.

Os corpos foram descobertos por uma neta do casal, filha de Adriana, que afirmou à polícia que os avós não tinham aparecido no escritório de advocacia que mantinham em Brasília. A jovem abriu o apartamento com a ajuda de um chaveiro.

Os corpos do ex-ministro do TSE e de Francisca foram encontrados na área de serviço do apartamento. O corpo de Maria estava em um corredor do imóvel. A perícia demonstrou que José Guilherme Villela foi o último a morrer.

Crime da 113 Sul: perícia realizada em 2009 no apartamento onde morreram José Guilherme Villela, Maria Carvalho Villela e Francisca Nascimento Silva — Foto: TV Globo/Reprodução
Crime da 113 Sul: perícia realizada em 2009 no apartamento onde morreram José Guilherme Villela, Maria Carvalho Villela e Francisca Nascimento Silva — Foto: TV Globo/Reprodução

Condenações

Em júri popular encerrado em 2013, os acusados de executar o homicídio foram condenados a mais de 55 anos de prisão pelos crimes de homicídio qualificado e furto qualificado.

O julgamento durou quatro dias. Durante o processo, ambos negaram envolvimento no crime.

Já a delegada Martha Vargas, que coordenou a investigação do caso, foi condenada a 16 anos de reclusão pelos crimes de falsidade ideológica, fraude processual, tortura e violação de sigilo funcional.

Delegada Martha Vargas, em imagem de arquivo — Foto: TV Globo/Reprodução
Delegada Martha Vargas, em imagem de arquivo — Foto: TV Globo/Reprodução

A investigação do Ministério Público apontou que, ao longo de oito meses, a delegada se baseou em informações de uma vidente para dar andamento às investigações. Além disso, segundo o Ministério Público, ela teria ordenado “tortura física e psicológica” para que os suspeitos confessassem os crimes.

A defesa de Martha Vargas sempre negou as acusações. O advogado dela, Paulo Suzano, já chamou as alegações do MP de “conversa fiada” e a decisão do TJ de “sentença medonha”.

You may be interested

Honda Civic Touring: o preço da ousadia | Avaliação
Economia
Economia

Honda Civic Touring: o preço da ousadia | Avaliação

Fabio Alencar - 22/10/2019

Pode até parecer coincidência, mas Toyota Corolla, Honda Civic e Chevrolet Cruze mudaram no mesmo mês com poucas semanas entre as estreias. Segundo sedã médio mais vendido do Brasil e…

Grande Festival de Artes promete movimentar o município de Tobias Barreto
Economia
Economia

Grande Festival de Artes promete movimentar o município de Tobias Barreto

Fabio Alencar - 22/10/2019

TobiArte começa nesta quarta-feira, dia 23Começa nesta quarta-feira, 23, a 10ª edição do Festival de Artes de Tobias Barreto, o TobiArte, celebrando os 110 anos de emancipação…

Fim dos Tempos! Nova ordem Mundial chegou ao Brasil e vem enganando Pastores
Economia
Economia

Fim dos Tempos! Nova ordem Mundial chegou ao Brasil e vem enganando Pastores

Fabio Alencar - 22/10/2019

Fim dos Tempos! Nova ordem Mundial chegou ao Brasil e vem enganando Pastores. Segundo o site gospel geral, Muitos acreditam que o mundo é administrado por homens…

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Most from this category